CONFRARIA ROCK

 

 

 

 

HOME

Música

 

18 DEZEMBRO 2015

Voltar

MARÇO - ABRIL - MAIO JUNHO - JULHO - AGOSTO - SETEMBRO - OUTUBRO - NOVEMBRO - DEZEMBRO

"Quem Não Te Esperou", o novo vídeo de Edu Franz Sobre dor e coragem
Regional da Nair se apresenta no 6º Festival Cultural de Vitória Notas roqueiras: Vespas Mandarinas, Armahda, Machinage…
Motörhead: Discórdia e morte em novo clip Arnaldo Antunes estreia novo show em São Paulo com casa cheia
David Bowie divulga o single "Lazarus" Série biográfica do Grateful Dead em desenvolvimento na Amazon
17/12/15
Discos Escondidos #004: Zimbro Trio – Zimbo Trio Seychelles celebra 10 anos de “Ninfa do Asfalto” e militância
Após Boogarins, Bike começa a despontar como nova sensação Lacuna Coil anuncia nome do oitavo disco: "Delirium"
“Não é mais uma reunião, é uma volta”, diz Marcelo D2 sobre Planet Hemp
Trio Winery Dogs lança videoclipe para "Fire" Volta ao mundo com o Converse Rubber Tracks
16/12/15
Faith No More matam demónios no novo vídeo Tulipa Ruiz e Marcelo Jeneci lançam clipe para 'Dia a dia, lado a lado'
Charlie & Os Marretas lança single com participação de Tim Bernardes
The Arcs lança faixa para coletânea da gravadora de Danger Mouse Strokes se reúnem em estúdio e alimentam expectativa
15/12/15
Nando Reis e Humberto Gessinger Pepsi on Stage (POA) em 2016 Megadeth: assista ao vídeo de”The Threat Is Real”
Noel Gallagher e Damon Albarn tocam juntos Mais feliz que o anterior, novo disco do Coldplay divide opiniões
Entrevista Garbage: Sem medo de envelhecer Baixista do Barão Vermelho, Rodrigo Santos, ganha biografia
Jimmy Page sai em turnê com nova banda em 2016 David Bowie divulga prévia de “Lazarus”, 2º single de Black Star
14/12/15
Bruce Dickinson chega à Bósnia para filmar 'Scream for me Sarejo'
Badhoney- Ghost Prince divulga segunda parte do álbum HITNRUN no Tidal
Novos singles de Figueroas, Selton, Peixefante, Supercombo + Far From Alaska e mais
“Feliz Ano Velho” pelo Selton em música e vídeo Metallica anuncia oficialmente livro sobre “Master Of Puppets”
ANTERIORES:

01 a 11/12/2015

"Quem Não Te Esperou", o novo vídeo de Edu Franz

Um novo nome do Rock Brasileiro vem do Paraná!

 

 

Edu Franz lança, nesta sexta-feira (18/12/2015), o vídeo da música "Quem Não Te Esperou", canção até então inédita, que estará em seu próximo disco, com lançamento previsto para o ano que vem, continuando a trajetória inaugurada com o EP "The Band Of The Seven Wonders", lançado em Agosto de 2015.

 

 

Além de Edu Franz, compositor e multinstrumentista, a banda é composta por músicos de peso da cena nacional: o baterista Eder Chapolla (Nevilton, Soldado Marimbondo); o baixista Tiago Lobão (Nevilton) e o guitarrista Johnny Monster (RIP Monsters, Daniel Belleza & Os Corações em Fúria, R.A.M.O.N.G.O.S)

Esta versão, ao vivo, foi captada e produzida em 04 de Outubro de 2015 pela produtora Hard, um time de artistas de audio-visual independentes de São Paulo. Com direção e fotografia de Rafael Avancini; Gaffer de Bernardo Godoy; Montagem e Colorização de Paulo Ratkiewics; Captação e Finalização de Áudio por João Vasconcelos do Estúdio Cambuci Roots, o vídeo traz ao público a força e a beleza da música de Edu Franz.

 

 

CONFRARIA ROCK

 

Topo

 

 

 

 

 

Sobre dor e coragem

 

 

Entre as esquinas da canção, quando a poesia se faz incauta, na contramão das construções tardias, existe um mundo quase inabitado.

 

“Um deserto”.

A poesia e seus assombros. A dor aguda. Sua cura. As mais altas temperaturas. E uma voz agoniada, trêmula, embargada e completamente entregue. Entrega que se percebe na sensação abismal e fluída da capa, que vi pela primeira vez enquanto ouvia o genial Pink Moon de Nick Drake.

 

“Um teatro sob

Numa época urgente, pulsante e rarefeita, poucas vezes vi alguém tão entregue emocionalmente à sua criação. É como se o criador fosse, tão somente, sua própria criatura orando para deuses inacessíveis. A voz quase esquizofrênica abre um leste no peito. E a gente viaja por lugares que jamais imaginou.

 

Porque as ruas do pensamento só possuem um sentido: voar.

Dilacerado, em carne viva e ébria, se faz uma linha tênue entre cicatriz e navalha, onde se chora e se liberta na mesma vibração, como se um pequeno holocausto acontecesse a cada evolução do piano.  E sobre as bênçãos da mulher do fim do mundo, André Morais recria, com brilhantismo, o clima vocal e almático das canções de Lupicínio Rodrigues, com pétalas de Cartola, Jair Naves e Lô Borges.

 

Eis aqui um tratado singular sobre dor e coragem.

 

 

Artista/Banda: André Morais

Álbum: Dilacerado

Ano: 2015

 

download

42 Downloads

 

ITHALO FURTADO - JARDIM ELÉTRICO

Topo

 

Regional da Nair se apresenta no 6º Festival Cultural de Vitória

Evento gratuito vai acontece neste domingo, no Ilha Shows.

Festival também reúne grafite, capoeira e confecção de panela de barro.

 

 

Regional da Nair (Foto: Divulgação/ Ilha Shows)

 

O Regional da Nair toca no 6º Festival Cultural de Vitória, neste domingo (20), no Ilha Shows. O evento gratuito tem início às 14 horas.

Sem vocalista definido, o grupo, desde 2008, chama o povo para cantar junto sambas de diversas gerações.

A programação começa com as bandas de congo Beatos de São Benedito (Centro de Vila Velha), Unidos de Boa Vista (Roda D’água), Mestre Tagibe ( Roda D’ Água), Amores da Lua ( Vitória) e Panela de Barro (Goiabeiras).

 

O festival também reúne grafite, capoeira e confecção de panela de barro.

Serviço

6ª Festival Cultural de Vitória

Data: 20 de dezembro (domingo)

Local: Ilha Shows

Horário: A partir das 14h

Entrada Franca

www.espirito.art.br

Informação: (27) 3222-7815

 

G1 ES

Topo

 

Notas roqueiras: Vespas Mandarinas, Armahda, Machinage…

 

 

– Após a boa receptividade de primeiro álbum, “Animal Nacional” (Deck – 2013), lançado em CD e vinil, o grupo paulista Vespas Mandarinas  entrará em estúdio para gravar seu novo disco, mas, antes, eles fazem uma última apresentação em São Paulo, no dia 19 (sábado), no Teatro Mars. No repertório estarão as faixas de “Animal Nacional”, já cantadas em coro por onde passam, como “Cobra de Vidro”, “Não Sei o que Fazer Comigo”, “Santa Sampa”, “O Vício e o Verso” e “A Prova”. Os fãs poderão também conhecer algumas das novidades que vão compor o novo disco, como “Que Esse Dia Seja Meu”.A banda, formada por Thadeu Meneghini (baixo e voz), Chuck Hipolitho (guitarra e voz) e André Dea (bateria), será acompanhada por Nevilton, na guitarra, que fará o show de abertura.

 

Serviço

Data: 19/12 (sábado)

Local: Teatro Mars (Rua João Passalacqua, 80 – Bela Vista – São Paulo – SP)

Ingressos:

(Antecipados)

R$ 30,00 – Pista (Meia Entrada/Promocional com 1kg de Alimento)

R$ 50,00 – Camarote (Meia Entrada/Promocional com 1kg de Alimento)

Horário de abertura da casa: 17 horas

Horário do show: 21h30

Show de abertura: Nevilton (20hs)

 

– Dezembro marca o mês da morte do imperador Dom Pedro II, que foi monarca do Brasil entre 1840 e 1889. Ele é o personagem principal do novo single da banda Armahda. ‘The Last Farewell’, título da canção, remete aos últimos dias de Dom Pedro II como Imperador do Brasil, desde sua viagem para o exílio na França, quando foi proclamada a República, até seu falecimento. Assim como as músicas do primeiro álbum da banda, o single foi lançado em forma de lyric video no Youtube. As pesquisas para a elaboração da letra da faixa incluíram bibliografia fornecida à banda pelos herdeiros da família real do Brasil, e contribuíram para o resultado final. Confira a música em https://www.youtube.com/watch?v=RB4tN2LnDfI&feature=youtu.be .

 

– O Machinage definiu a data do show de lançamento de seu novo álbum, “Slave Nation'': 22 de abril de 2016 no Aldeia Bar, na cidade natal do grupo, Jundiaí, interior de São Paulo. “Estávamos ansiosos em divulgar esse show, mesmo que um pouco distante ainda, estamos preparando algo memorável”, comenta Adriano Bauer, um dos integrantes.

 

COMBATE ROCK

Topo

 

Motörhead: Discórdia e morte em "When The Sky Comes Looking For You"

 

 

É algum tipo de justiceiro ou a encarnação do mal? O personagem que protagoniza o novo videoclipe do Motörhead parece ficar em algum lugar entre essas duas definições.

A música é "When The Sky Comes Looking For You", faixa que está no repertório de "Bad Magic", álbum que a banda lançou no último mês de agosto e sobre o qual falamos aqui.

O vídeo é um curta-metragem que mescla closes com planos abertos sob a direção de Pep Bonet, que já fez trabalhos para o Motörhead anteriormente e tem em seu currículo o documentário "We the people of Wacken", sobre o festival alemão de mesmo nome.

A narrativa acompanha um motoqueiro barbudo que por onde passa provoca discórdia e morte. A banda não chega a aparecer no videoclipe. Assista "When The Sky Comes Looking For You":

 

 

LIZANDRA PRONIN – TERRITÓRIO DA MÚSICA

Topo

 

Arnaldo Antunes estreia novo show em São Paulo com casa cheia

Espetáculo de "Já é" traz novas versões para músicas conhecidas.

 

 

O músico Arnaldo Antunes estreou em São Paulo, na última quarta-feira, 16, seu show de lançamento de "Já é", décimo sexto trabalho lançado em setembro desse ano. Com uma abordagem um pouco diferente do que o músico trouxe nos anos anteriores, o repertório contou com músicas do novo trabalho, mas boas surpresas surgiram com uma nova roupagem de velhos sucessos.

A abertura da nova temporada na capital paulistana se deu no Teatro Bradesco, local aconchegante e perfeito para o novo palco que o artista desenvolveu, com detalhes de peças que espelhavam a luz e elementos entre músicos e espectadores, combinando com o toque intimista que a iluminação do espetáculo proporcionava.

O show começou com um set especial contendo músicas do novo disco, como "Põe fé que já é", "Antes", "Se você nadar", "Óbitos", "O Meteorologista", "Saudade farta", "As estrelas cadentes", "Azul e Prateado" e "Naturalmente, naturalmente", que foi captada ao vivo para o novo videoclipe do artista e por esse motivo foi apresentada duas vezes.

A segunda parte do show trouxe vários sucessos de Arnaldo, mas todos com versões novas, por vezes com elementos mais intimistas, como o jazz, o que caiu perfeitamente bem em sua banda que já o acompanha há alguns anos e conta com André Lima (teclados, sanfona e vocais), Betão Aguiar (baixo e vocais), Chico Salem (guitarra, violões, guitarra portuguesa e vocais) e Curumin (bateria, MPC e vocais).

Dentre as surpresas, novas versões de "Caximbo" (intercalada com "Porrada", dos Titãs), "Alta noite" e "Inclassificáveis". Mais uma dos Titãs foi lembrada: "Lugar Nenhum". Da fase Tribalistas, tivemos "Velha Infância" e "Passa em Casa", que fechou o espetáculo, com a plateia em pé ao lado do palco, como sempre acontece em seus shows.

Algumas músicas sempre acompanham o repertório como "Socorro", "Envelhecer", "A casa é sua", "Consumado", "Invejoso" e servem para deixar a plateia sempre confortável para cantar as letras.

Esse foi o último show do ano do Arnaldo e certamente deixou uma recordação linda para iniciar 2016 com sucesso e agenda cheia.

 

EDI FORTINI  – TERRITÓRIO DA MÚSICA

Topo

 

David Bowie divulga o single "Lazarus"

Faixa faz parte do disco Blackstar, que sairá no dia 8 de janeiro, data em que o artista completa 69 anos

 

 

Depois de divulgar um trecho da música, David Bowie finalmente soltou a íntegra do single "Lazarus", que integrará o álbum Blackstar. A faixa de seis minutos e meio cresce lentamente, e traz Bowie cantando: “Tenho cicatrizes que não podem ser vistas, tenho drama, não posso ser roubado / Todos me conhecem agora”. Ouça abaixo.

 

 

“Lazarus” faz parte da trilha sonora de uma peça homônima, escrita pelo músico e pelo o dramaturgo Enda Walsh, que está em cartaz em Nova York. Blackstar (nome substituído por uma simples estrela negra como símbolo na capa do álbum) foi gravado por um quarteto liderado pelo saxofonista Donny McCaslin, escolhido por Bowie após uma noitada em um despretensioso bar de Nova York, em 2014.

O rock eletrônico alemão do krautrock, hip-hop, pop e jazz se misturam no 25° registro da carreira do legendário músico. Com 42 minutos de música, a obra conta com a participação de James Murphy, do LCD Soundsystem, como percussionista em duas faixas. O disco será lançado em 8 de janeiro de 2016, data na qual o músico comemora 69 anos.

 

ROLLING STONE BRASIL

Topo

 

Série biográfica do Grateful Dead está em desenvolvimento na Amazon

Bob Weir é responsável pelos aspectos musicais da produção baseada na autobiografia

 

 

Uma minissérie biográfica sobre o Grateful Dead está em desenvolvimento na Amazon, com Bob Weir supostamente sendo produtor executivo e supervisionando todos os aspectos musicais do projeto. As informações são do site norte-americano Deadline.

A série, ainda sem título, é baseada na autobiografia de Steve Parish de 2003, Home Before Daylight: My Life On the Road with the Grateful Dead. No livro, Parish – que também é produtor executivo – relata o tempo como integrante da extensa família do Grateful Dead, a começar pelo trabalho dele como roadie e futuramente como confidente e empresário de Jerry Garcia.

Em 2008, a Rolling Stone EUA noticiou que Parish e o produtor Stephen Emery tentaram transformar Home Before Daylight em uma cinebiografia de Grateful Dead. O projeto, contudo, foi interrompido apesar de Weir ter assinado como diretor musical, e Jefferson Airplane, Neil Young e Bob Dylan dispostos a contribuir com a trilha sonora.

Emery também está envolvido com o novo projeto, como um dos produtores executivos, ainda que esteja incerto se Weir terá que começar do zero o planejamento das músicas envolvidas na série. Nem roteirista nem diretor foram atrelados ao projeto ainda.

 

ROLLING STONE EUA

Topo

 

17/12/2015

Discos Escondidos #004: Zimbro Trio – Zimbo Trio

 

 

 

Zimbo Trio é um conjunto formado em 1964 por Luís Chaves Oliveira da Paz no contrabaixo, Rubens Alberto Barsotti na bateria e Amilton Godói no piano. Com versões jazzísticas de alguns clássicos da música brasileira entre outras composições, o Zimbo Trio é um dos conjuntos mais virtuosos que já passou pela MPB.

Nesse álbum de 1964, destaque para as versões de Garota de Ipanema, Berimbau e Consolação. E sem mais delongas, Zimbo Trio:

 

 

GUIMA – JARDIM ELÉTRICO

 

Topo

 

Seychelles celebra 10 anos de “Ninfa do Asfalto” e militância no underground

 

 

 

Ter uma banda transitando pelo underground nacional não é tarefa das mais fáceis, e, se você conseguir atingir a marca de 13 anos invicto nessa cena, já pode se considerar um vencedor. Nesse podium, o Seychelles, de São Paulo, sobe facilmente. O grupo formado por Gustavo Garde, Fernando Coelho, Renato Cortez e Paulo Chapolin (mais o novato Renato Spinosa) está celebrando dez anos de seu primeiro disco, o Ninfa do Asfalto, que, quando lançado, foi badalado com resenhas que associavam o som aos Mutantes, Secos e Molhados e artistas da Vanguarda Paulistana.

Para essa comemoração não passar em branco, o grupo resolveu fazer um show especial nesta sexta (18), na Associação Cultural Cecília, em SP (detalhes abaixo) e promete relembrar esse discaço no set, além de outros hits que os acompanharam nessa jornada.

O Virgula foi trocar uma ideia com a banda, que lembrou o quanto o álbum apontou novos rumos artísticos e profissionais aos Seys. “Antes do Ninfa a gente era, literalmente, uma banda de garagem. Tocávamos pros amigos em bares e estávamos muito mais focados em compor, em criar nosso repertório e forjar uma identidade própria”, conta o vocalista Gustavo. “O Ninfa foi a nossa formatura! Com o EP de 2013, nós nascemos. Era tudo muito lúdico. Mas o Ninfa foi uma graduação. A partir dali, nos profissionalizamos”, completa o baixista Renato.

“O Ninfa também nos ajudou a ter claro onde poderíamos chegar e, especialmente, o quão importante é a participação dos parceiros para que um projeto desse porte ganhe vida. Nesse sentido, o papel do Fabio Pinczowski na produção e mixagem, e do Arthur Joly (Reco Head), na masterização, foram fundamentais.”, diz Gustavo.

 

 

Sobre as canções do álbum, os integrantes tiveram a missão de escolher suas preferidas. Renato optou por Terceira Pessoa: “Puts… essa tem uma pegada tribal, sensorial, psicodélica que é atemporal. Hoje soa muito bem ainda. Eu piro”, e Gustavo foi além: “Gosto de Remédio, da letra dela, do arranjo, dos riffs, do clima psicodélico. Acho que é o mais próximo que a gente chegou do conceito de “ópera rock”. O mais próximo que a gente chegou do Queen (risos)”.

(Foto: Habacuque Lima)

Para 2016, o Seycheles vem com um novo álbum.”Esse disco deve mostrar um outro lado nosso. Talvez mais maduro, talvez mais dançante – não sei bem. O fato é que estamos nos desafiando a compor em ritmos e linguagens que não somos tão familiarizados, como o funk (não confundir com o funk carioca) e o soul. O que a gente gostaria mesmo é de aprender a compor que nem o Stevie Wonder e o Otis Redding. Mas para isso, acho que só nascendo outra vez”, brinca Gustavo. “O disco tá 99% pronto e tá demais! A previsão é para o 1º semestre. Vamos ver.”, comemora Renato.

Para a nossa sorte, o underground segue vivo, com qualidade, e muito bem representado. Quem for ao show de sexta, verá!

www.sey.art.br

 

 

 

Serviço

Seychelles: Uma década de Ninfa do Asfalto

Associação Cultural Cecília

Rua Vitorino Camilo, 449

18/12, sexta feira, 20h

R$ 10

 

ITAICI BRUNETTI – VIRGULA UOL

Topo 

 

Após Boogarins, Bike começa a despontar como nova sensação brasileira

 

 

A neopsicodelia brasileira ataca novamente. Após os goianos da banda Boogarins terem se tornado queridinhos de público e críticos mundias, agora é a vez dos paulistanos da Bike começarem a despontar.

 

 

Nesta terça (15), a Rolling Stone dos Estados Unidos divulgou que eles emplacaram a faixa Enigma Do Dente Falso no primeiro lançamento do novo selo do produtor Brian “Danger Mouse” Burton, 30th Century Records.

A coletânea inclui artistas já assinados pelo selo como Autolux, Apache Sun, Maybird, Sam Cohen, Nine Pound Shadow e o Arcs, de Dan Auerbach, do Black Keys.

30th Century Records Compilation Volume I Track List

1. Apache Sun, “Club Noir”

2. Maybird, “Big Sun Explosion”

3. Autolux, “Change My Head”

4. Paper Morning, “Mad As a Hat”

5. Waterstrider, “Soundless Sea”

6. Sam Cohen, “Lose Your Illusion”

7. The Arcs, “Fools Gold”

8. Nine Pound Shadow, “Melody”

9. Bike, “Enigma Do Dente Falso”

10. Big Search, “Please Do Not Explain”

11. Jock Gang, “Tell Me About It”

 

FABIÂNO ALCÂNTARA – VIRGULA UOL

 

LIZANDRA PRONIN – TERRITÓRIO DA MÚSICA

Topo 

 

Lacuna Coil anuncia nome do oitavo disco: "Delirium"

 

 

A banda italiana Lacuna Coil está em processo de gravação de seu novo álbum e adianta algumas novidades sobre o material. Para começar, o disco, oitavo na carreira, já tem nome definido: se chamará "Delirium".

O álbum será lançado em 2016 e conta com produção do baixista da banda, Marco "Maki" Coti-Zelati. Será o primeiro disco a contar com o baterista norte-americano Ryan Blake Folden, que acompanha a banda desde 2012. Até o momento, nenhum outro detalhe sobre o material foi revelado.

Além de trabalhar no novo material, a vocalista Cristina Scabbia arrumou um tempo para cantar ao lado da banda Danko Jones uma versão para "Wild Woman", do disco dos americanos.

A faixa é parte de uma coletânea feita para a campanha chamada "Music For Boobies", que levanta fundos para a Keep A Breast Foundation, instituiçãi de prevenção do câncer de mama que atua em nível mundial. Anti-Flag, Simple Plan, The Raveonettes também estão no disco. Saiba mais neste link.

 

Topo 

 

“Não é mais uma reunião, é uma volta”, diz Marcelo D2 sobre Planet Hemp

Rapper sugere que grupo fará shows “todos os anos” e que está “até falando em música nova”

 

 

Após mais uma série de shows de reunião no segundo semestre deste ano, o Planet Hemp aparentemente está de volta à plena atividade. Em entrevista ao jornal O Globo, um dos líderes do grupo, Marcelo D2, afirmou: “Não é mais uma reunião, é uma volta.”

 “Estamos até falando em música nova”, acrescentou o rapper ao jornal. “É difícil porque, hoje, aquelas letras me soam um pouco ingênuas. Continuo o mesmo moleque revoltado de 20 anos atrás, mas perdi a ingenuidade. Tanto eu quanto o Bernardo [BNegão] mudamos a nossa maneira de escrever. O que posso dizer é que não é mais uma reunião, é uma volta. Queremos fazer shows todos os anos.”

A volta do Planet Hemp para shows acontece desde 2012, arrastando-se para shows no Lollapalooza de 2013, no João Rock de 2015, entre outros festivais, até a apresentação no Rio de Janeiro, este fim de semana. “Depois da turnê em 2012, a chama se acendeu de novo”, comentou D2, também a O Globo. Tanto D2 quanto BNegão mantêm as respectivas carreiras solo nos últimos anos.

Na formação, além da volta descartada de Black Alien – apesar de o convite por parte do grupo seguir de pé –, Nobru Pederneiras assume como novo guitarrista do Planet Hemp. Ele fica responsável pelos agudos e distorções na posição antes ocupada por Rafael Crespo e Jackson. O membro da formação original Formigão segue como baixista.

 

ROLLING STONE BRASIL

Topo 

 

Trio Winery Dogs lança videoclipe para "Fire"

 

 

 

O trio Winery Dogs - formado pelo guitarrista Richie Kotzen, o baixista Billy Sheehan e o baterista Mike Portnoy - acaba de lançar um videoclipe para "Fire", faixa que integra seu mais recente e segundo álbum, "Hot Streak".

Mesclando imagens da banda em preto e branco a outras que acompanham uma bela mulher - essas, coloridas - o vídeo, que você assiste abaixo, traz uma estética delicada.

 

 

LIZANDRA PRONIN – TERRITÓRIO DA MÚSICA

Topo 

 

Volta ao mundo com o Converse Rubber Tracks

 

 

 

O Converse Rubber Tracks realizou este ano um dos maiores projetos de patrocínio à música. Foram selecionadas 84 bandas de vários países (China, Alemanha, Brasil, Islândia, Peru e Argentina entre eles) para gravar em 12 dos melhores estúdios do mundo no mês de setembro.

Algumas bandas brasileiras tiveram o prazer e o privilégio de viajar para lendários lugares estrangeiros de gravação e, ainda, garantiram a oportunidade única de trocar com produtores e engenheiros de som internacionais.

Uma delas foi a Frida, grupo de indie pop de Gravataí, Rio Grande do Sul, composto por Sandro Silveira (guitarra e voz), Andriel Cimino (guitarra), Vinicius Braga (baixo) e Luis Mausolff (bateria). A banda lançou o primeiro disco em março, e recebeu as chaves do recém-inaugurado Converse Rubber Tracks Studio em Boston, nos Estados Unidos.

Outra banda gaúcha, a Motor City Madness, foi ainda mais longe: para Sydney, na Austrália. Eles foram convidados para registrar seu som no 301 Studios. O rock de Sergio Caldas (Guitarra e Voz), Fabian Steinert (Guitarra), Rene Mendes (Baixo) e Rodrigo Fernandes (Bateria) havia sido gravado duas vezes: em 2013, quando saiu o disco de estréia deles e mais recentemente, sendo que o segundo álbum saiu em abril deste ano.

A curitibana Water Rats esteve no Avast Recording Co. em Seattle, no berço do grunge gravando as seis canções que integram o EP Hellway to High. O grupo, formado por Alex Capilé (guitarra e vocal), Pedro Gripe (guitarra e vocal), Bi Coveiro (baixo) e André Dea (bateria) – que durante as gravações substituiu Renê Bernuncia –, conversou com a revista Rolling Stone Brasil, na edição de Novembro, e listou com orgulho os nomes dos artistas renomados que já tinham passado pelo mesmo estúdio onde eles tiveram a oportunidade de trabalhar: “Bikini Kill, Mark Lanegan, Mudhoney, Band of Horses, entre tantos outros que adoramos”, contou Capilé. “No primeiro dia de gravações descobrimos que ninguém menos do que Jack Endino seria o nosso produtor”, disse, referindo-se ao produtor de Bleach, primeiro álbum do Nirvana. “Ele deu várias dicas sobre os timbres dos instrumentos, mas respeitou a estrutura que já tínhamos. Foi uma honra e um marco na carreira do Water Rats.”

Ninguém menos do que Thurston Moore também deu uma passada no estúdio para dar seus imprescindíveis pitacos. “O Sonic Youth é um grupo que exerce uma grande influência sob nós. Moore apareceu no estúdio e disse que gostou muito do que estávamos fazendo. Ele acompanhou toda a mixagem e afirmou: ‘Esse é o meu tipo de punk rock’. Foi incrível pode conversar com ele e ouvir histórias sobre o primeiro show do Sonic Youth em Seattle”, completou Capilé.

 

 

ROLLING STONE

Topo 

 

16/12/2015

Faith No More matam demónios no novo vídeo

 

 

Os Faith No More inspiraram-se no filme de terror «Dementia» (também conhecido como «Daughter of Horror») de 1955 no novo vídeo.

«Separation Anxiety» faz parte do álbum «Sol Invictus», editado este ano. Foi o primeiro da banda desde a separação em 1998 e a reunião dez anos após.

O vídeo incorpora imagens do filme de 1955 de John Parker.

 

DISCO DIGITAL (Portugal)

 

Topo 

 

Tulipa Ruiz e Marcelo Jeneci lançam clipe para 'Dia a dia, lado a lado'

 

 

"Dia a dia, lado a lado" é um xodó dos fãs de Marcelo Jeneci e Tulipa Ruiz. Composta há seis anos, a canção jamais foi gravada e era uma raridade no repertório dos dois amigos.  Mesmo assim, a música se tornou um hit involuntário. Só em um vídeo que registra sua execução ao vivo, somam-se 2 milhões de visualizações.

Tulipa e Jeneci decidiram resgatar a faixa e lançaram, nesta terça-feira, a gravação oficial da parceria junto a um clipe dirigido por Eugênio Vieira e Pedro Palhares.

 

 

O lançamento de comemora "Dia a dia, lado a lado" a turnê conjunta de Tulipa e Jeneci, que começa dia 15 de janeiro em Salvador. Eles chegam ao Rio no dia seguinte para se apresentar no Circo Voador. 

 

Veja a letra completa:

 

“DIA A DIA LADO A LADO”

(Marcelo Jeneci, Tulipa Ruiz e Gustavo Ruiz)

 

Eu sonhei que estava exatamente aqui, olhando pra você

Olhando pra você, exatamente aqui

'Cê não sabe mas eu tava exatamente aqui, olhando pra você

Olhando pra você exatamente aqui

 

Pronto para despertar

Perto mesmo de explodir

Parto para não voltar

Pranto para estancar

Tanto para acordar

Tonto de tanto te ver

Perto mesmo de explodir

Prestes a saber porque

 

Por que um raio cai?

Por que o sol se vai?

Se a nuvem vem também

Por que você não vem?

 

Eu sonhei que estava exatamente aqui, olhando pra você

Olhando pra você exatamente aqui

'cê não sabe mas eu tava exatamente aqui, olhando pra você

'cê não sabe mas eu tava exatamente aqui

 

Pronto para despertar

Perto mesmo de explodir

Parto para não voltar

Pranto para estancar

Tanto para acordar

Tonto de tanto te ver

Perto mesmo de explodir

Prestes a saber porque

 

Por que um raio cai?

Por que o sol se vai?

Se a nuvem vem também

Por que você não vem?

 

Nada a ver ficar assim sonhando separado

Se no fundo a gente quer o dia a dia lado a lado

Eu não vou deixar você com esse medo de se aproximar

Pra ter um fim toda história um dia tem que começar

Então me diz por que... por que um raio cai?

Por que o sol se vai?

 

Se não é pra gente perceber que um milagre assim se faz

Por que um raio cai?

 

É natural que seja assim

Você aí e eu aqui, exatamente aqui

É natural que seja assim

Você aí e eu aqui, exatamente aqui

É natural que seja assim

Você aí e eu aqui, exatamente aqui

 

MATEUS CAMPOS – BLOG AMPLIFICADOR

Topo

 

Charlie & Os Marretas lança single com participação de Tim Bernardes; ouça “O Trem”

 

 

Se preparando para gravar o segundo disco da carreira, o grupo paulistano Charlie & Os Marretas revelou um novo single, chamado “O Trem”. A música, repleta de suingue, conta com a participação do vocalista de O Terno, Tim Bernardes, que canta o refrão junto ao também guitarrista e vocalista André Vac.

“Estamos no período de entressafra, tocando as músicas do primeiro disco em shows e preparando o lançamento do próximo”, conta o baixista Guilherme Giraldi. “Esta faixa representa muito bem essa fase. Já tocamos ela há algum tempo nos nossos shows e a composição está mais próxima do primeiro álbum, no gênero, do que estamos planejando para o segundo.”

O Charlie & Os Marretas estreou em álbum em 2014, com o trabalho autointitulado, apresentando o estilo despojado e irreverente, de sonoridade dançante, analógica e retrô. Apesar de admitir a semelhança com o primeiro disco, Giraldi adianta que “O Trem” “já aponta para o caminho que a banda pretende seguir”. Segundo ele, “ousar mais na experimentação de timbres, considerando todas as etapas do processo de gravação.”

Inspirada no funk dos anos 1960 e na soul music, “O Trem” explora o “balanço” da dança, misturando-o com a irregularidade de uma viagem de trem. “Sua carga é da pesada e faz o corpo se balançar”, canta Vac, antes de se soltar com Bernardes no refrão: “Hoje eu não consigo parar de dançar”. Além da bateria cheia de groove e da guitarra suingada, a faixa é decorada por teclados e instrumentos de sopro.

“Decidimos, juntamente com nosso produtor Gui Jesus Toledo, gravar a faixa de forma analógica em fita e mixar em mono, para trazer essa atmosfera sessentista”, conta o baixista. “Foi nossa primeira experiência com esse tipo de gravação e curtimos demais o resultado. Esteticamente a música cresceu bastante.”

O convite ao vocalista e guitarrista de O Terno – banda que integra o mesmo selo do Charlie & Os Marretas, o Risco – surgiu para “trazer o espírito do soul, soltar o gogó e explorar todo o potencial gospel dele”. “E, para fechar toda a história, o single vai ganhar uma versão em vinil lo-fi, que torna o som da gravação ainda mais sujo e traz essa vibe antigona para a música.”

Apesar do lançamento em vinil, “O Trem” ganha lançamento digital esta quarta-feira, 16, no Sobe o Som (espaço dedicado à música nacional alternativa na Rolling Stone Brasil). O single será apresentado ao vivo em show na próxima sexta-feira, 18, no SESC Vila Mariana, em São Paulo, com participação de Bernardes e entradas a R$ 20 (há meia entrada).

 

Conheça “O Trem” abaixo

 

 

Charlie & Os Marretas em São Paulo

 

18 de dezembro (sexta–feira), às 20h30

SESC Vila Mariana – Rua Pelotas, 141

Ingressos: R$ 20 (há meia-entrada), neste link

 

ROLLING STONE BRASIL

Topo

 

The Arcs lança faixa para coletânea da gravadora de Danger Mouse

 

 

 

 

Em novembro o produtor Danger Mouse anunciou o lançamento de seu próprio selo, o 30th Century Records, afiliado da Columbia Records que estreará com uma compilação intitulada “30th Century Records Compilation Volume 1”.

 

“30th Century Records Compilation Volume 1” chegará ao mercado na próxima sexta-feira, dia 18 de dezembro e trará uma faixa exclusiva do The Arcs, projeto de Dan Auerbach que também estreou esse ano com o álbum “Yours, Dreamily” e lançou recentemente o EP “The Arcs vs. the Inventors”, que traz participações de David Hidalgo, do Los Lobos, e Dr. John.

A contribuição do grupo para a coletânea do 30th Century Records se chama “Fools Gold” e foi disponibilizada para audição no Youtube. Confira logo depois da declaração que Auerbach deu sobre a música à Rolling Stone norte-americana:

 

“Geralmente, ouro de tolo é feito de piritas de ferro ou de cobre que são muitas vezes confundidas com o ouro. Tem a mesma descoberta emocionante, o mesmo brilho lustroso e peso perceptível de ouro, mas não é ouro e quando tudo estiver dito e feito, tem o mesmo valor que um pedaço de merda. Sempre foi tão fácil ser um tolo. Nós gravamos essa música no Easy Eye Sound no verão de 2015. Honrados em tê-lo lançado no novo selo de Brian.”

 

 

TATE MONTENEGRO – TERRITÓRIO DA MÚSICA

Topo

 

Strokes se reúnem em estúdio e alimentam expectativa sobre novo disco

O vocalista Julian Casablancas tem comentado sobre a vontade de voltar a gravar com a banda

 

 

 

Integrantes dos Strokes foram registrados em uma foto presentes em um estúdio no México, dando mais esperança aos fãs que esperam ouvir um novo disco da banda depois de Comedown Machine (2013).

Victoria Morales-Kühne, presidente da Victoria Records, publicou no Instagram a imagem dela com quatro dos cinco membros da banda, Julian Casablancas, Nick Valensi, Nikolai Fraiture e o brasileiro Fabrizio Moretti.

 “Quando uma das suas bandas favoritas no mundo entra em contato com você com meses de antecedência para alugar seu estúdio B para gravar baterias e o estúdio A para ensaiar e você está simplesmente agradecida”, escreveu Victoria.

Casablancas tem manifestado ao longo dos últimos meses a intenção de voltar a gravar com os Strokes. Em julho deste ano, à Rolling Stone Brasil, o guitarrista Albert Hammond Jr. – curiosamente o único do grupo ausente da foto acima – deu declarações contrárias.

“Talvez ele esteja fazendo e não comigo”, disse o guitarrista na época sobre Casablancas estar compondo para os Strokes. Hammond Jr. lançou no meio deste ano o disco solo Momentary Masters e em março de 2016 virá ao Brasil para o Lollapalooza.

 

ROLLING STONES BRASIL

Topo

 

15/12/2015

Nando Reis e Humberto Gessinger se apresentam no Pepsi on Stage em 2016

 

 

A temporada de shows já tem data certa para recomeçar em 2016... E em grande estilo! No dia 19 de março, o Pepsi on Stage será o palco do encontro mais do que especial de Nando Reis e Humberto Gessinger, dois dos artistas mais queridos pelo público gaúcho. Eles estarão aqui, acompanhados de suas respectivas bandas, para mostrar o grande sucesso dos seus trabalhos mais recentes, o álbum independente “Sei” e o CD e DVD “Insular Ao Vivo”. No repertório dos caras, não faltarão hits radiofônicos, clássicos imortalizados por outros artistas e canções seminais do pop e do rock brasileiro, como são os casos de “Refrão de Bolero”, “Piano Bar” e “Eu que Não Amo Você”, do ex-Engenheiros do Hawaii; e “Sou Dela”, “All Star” e “Os Cegos do Castelo”, todas compostas pelo ex-Titãs. Depois das apresentações individuais, um encontro dos dois para um bis não está descartado. Como eles mesmos garantem, só vai depender do público para ocorrer.

 

NANDO REIS & OS INFERNAIS

Nando Reis é conhecido e reconhecido como um dos maiores compositores da sua geração e autor de diversos hits radiofônicos, como “Diariamente” (Marisa Monte), “Relicário” (Cássia Eller), “Resposta” (Skank) e “Do Seu Lado” (Jota Quest). Na sua discografia própria, “Sim ou Não,” de 2006, e “Drês”, de 2009, foram os últimos trabalhos assinados pelo compositor paulista antes do lançamento de “Sei”, de forma totalmente independente, em 2013. O álbum, gravado em Seattle (Estados Unidos), revelou uma nova coleção de sucessos, que inclui as faixas “Pré-Sal”, “Back in Vânia” e “Sei”.

A turnê do disco, que vem encantando o Brasil nos últimos anos, é uma das mais bem sucedidas da carreira do ex-Titãs. Em Minas, foi gravado o CD e o DVD ao vivo “Sei – Como Foi em BH”, que faz um bom retrato dessas apresentações ao vivo de Nando, que ainda inclui outras grandes composições no seu repertório, do calibre de “Coração Vago”, “N”, “De Janeiro a Janeiro” e “Pra Você Guardei o Amor”. Os Infernais contam ainda com Walter Villaça (guitarra), Felipe Cambraia (baixo), Alex Veley (teclados), Diogo Gameiro (bateria) e Gil Miranda e Hannah Lima no backing vocal.

 

HUMBERTO GESSINGER

O compositor, cantor, instrumentista e escritor Humberto Gessinger está na estrada com a turnê “Insular”, mesmo nome do seu último CD. O disco é o 20º álbum da carreira do músico e o primeiro com canções inéditas em dez anos. O primeiro single do disco, “Tudo Está Parado”, estreou em primeiro lugar no Top Rock do iTunes. No ano passado, Humberto lançou o clipe do seu segundo single, “Sua Graça” (https://www.youtube.com/watch?v=EQaUqisVknI), que faz várias referências à sua trajetória.

Em seu novo show, que serviu como base para a gravação do CD e do DVD “Insular ao Vivo”, Gessinger apresenta músicas de todas as fases da carreira, passando por grandes sucessos dos Engenheiros do Hawaii. No palco, ele assume, além dos vocais, o baixo, o teclado, as harmônicas e o acordeom, acompanhado por Esteban Tavares (ex-Fresno) na guitarra e Rafael Bisogno (da cena nativista) na bateria. O espetáculo já passou por São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, Curitiba, entre outras cidades, sempre com lotação esgotada, público apaixonado e excelentes críticas.

 

NANDO REIS & HUMBERTO GESSINGER

Onde: Pepsi on Stage (Avenida Severo Dullius, 1995)

Quando: 19 de março, sábado, a partir das 21h

Abertura da casa: 19h

Classificação: 16 anos

 

Para o benefício da meia-entrada (50% de desconto), é necessária a apresentação da carteira de estudante na entrada do espetáculo. Os documentos aceitos como válidos estão determinados no artigo 4º da Lei Estadual 14.612/14.

 

Pontos de venda:

Bilheteria oficial (sem taxa de conveniência): Youcom Bourbon Wallig

Demais pontos de venda (sujeito à cobrança de R$ 5 de taxa de conveniência):

- Youcom Shopping Praia de Belas, Bourbon Ipiranga, Barra Shopping Sul e Bourbon Novo Hamburgo

- Multisom Andradas 1001, Canoas Shopping e Bourbon São Leopoldo

- Online: www.minhaentrada.com.br/opiniao

Clube do Assinante ZH (disponível somente nas lojas Youcom): 50% de desconto para titular e acompanhante

 

Informações:

www.opiniao.com.br

www.twitter.com/opiniao

(51) 3211-2838

 

ROCK GAÚCHO

 

Topo

 

Megadeth: assista ao vídeo de”The Threat Is Real”

 

 

O Megadeth divulgou nesta sexta-feira o clipe de ‘The Threat Is Real’, primeiro single do novo disco, ‘Dystopia’, aguardado para sair no dia 22 de janeiro. O álbum marca a estreia do brasileiro Kiko Loureiro na famosa banda norte-americana. Confira a novidade no player logo a seguir. 

 

 

GUILHERME ZANINI – GUITAR PLAYER

Topo

 

Noel Gallagher e Damon Albarn tocam juntos nos 60 anos de Simonon

Antigos rivais da cena musical britânica dividem o palco no aniversário de baixista do The Clash

 

 

Os atores da maior rivalidade do britpop dividiram palco. Sim, Noel Gallagher do Oasis e Damon Albarn do Blur tocaram juntos na festa de aniversário de Paul Simonon, baixista da clássica The Clash, que fez aniversário de 60 anos nesta terça-feira (14/12).

Na ocasião, Albarn e Gallagher tocaram músicas do Clash, Gorillaz e do The Good, The Bad & The Queen, um projeto de Albarn junto de Simonon.

 

 

ESTADO DE MINAS CULTURA

Topo

 

Mais feliz que o anterior, novo disco do Coldplay divide opiniões

Sétimo disco de estúdio do grupo, 'A Head Full of Dreams' pode ser o último álbum de inéditas por tempo indeterminado

 

 

 

No videoclipe da música Walk, lançada pelo Foo Fighters em 2011, o vocalista Dave Grohl interpreta um trabalhador frustrado com sua rotina. Enquanto está parado no trânsito, esse sentimento de tédio e impaciência fica mais evidente por causa de adesivos em outros carros com dizeres como “o punk está morto”, em apoio ao ex-presidente George Bush; de declarações de amor a Justin Bieber e ao Coldplay. Ao ser perguntado por um canal alemão se o Foo Fighters odeia o grupo britânico, Grohl respondeu: “Nós não odiamos o Coldplay, nós apenas adoramos zoá-los. É diferente! Sabe quando teus amigos te zoam o tempo todo? É o que caras fazem. E se nós estamos ferindo os sentimentos deles... Bem, desculpe!”.

 

A resposta traduz bem o que o Coldplay representa na cultura pop. Ao mesmo tempo em que a banda é vista por parte do público e colegas como sentimental demais e seus integrantes, excessivamente bons moços para serem levados a sério como uma banda de rock, o sucesso e a grandeza do grupo, inegáveis, a tornam impossível de ser ignorada. Essa postura fracionária em relação ao quarteto britânico nunca ficou mais evidente do que no início do mês, quando a banda lançou o sétimo álbum da carreira, A head full of dreams, e foi anunciada como atração do intervalo do Super Bowl, a decisão da liga norte-americana de futebol americano.

 

Apesar de as baladas emotivas carregadas pelo piano ainda estarem presentes, o disco é um claro esforço de apresentar uma sonoridade mais dançante e com letras mais positivas após o melancólico Ghost stories — gravado e lançado durante o processo de separação de Chris Martin com Gwyneth Paltrow. As participações de Noel Gallagher, Beyoncé e até do presidente Barack Obama e da ex de Chris, Gwyneth Paltrow, no entanto, não foram suficientes para tornar o Coldplay, mais feliz e bem-resolvido, em unanimidade entre os críticos.

 

O respeitado site Pitchfork, por exemplo, deu a A head full of dreams nota 4,8 de 10. “Com suas diversas inocentes ruminações sobre estrelas e luas e corações e diamantes, parece que Chris Martin tira inspiração de suas letras de uma caixa de cereais”, escreveu Stuart Berman, responsável pela crítica. Já a revista Rolling Stone deu ao trabalho quatro de cinco estrelas. “Se esse for o último álbum do Colplay (como Martin sugeriu em entrevistas), eles irão se despedir de forma graciosa.”

 

Coldplay — A head full of dreams

Parlophone UK, R$ 42,90, Disponível desde sexta-feira (7/12) nas plataformas de streaming.

 

 

CORREIO BRASILIENSE

Topo

 

Entrevista Garbage: Sem medo de envelhecer

 

 

A nostalgia foi ganhando tanta força enquanto tendência nos últimos anos que passado e presente se misturam quase a ponto de criar um limbo. Ao mesmo tempo, criou-se uma cultura em que a juventude deve durar para sempre, pois a alternativa é a morte.

Mas o Garbage sempre foi um ponto fora da curva, e logo que acabou de comemorar os 20 anos de seu álbum de estreia com uma turnê tocando o trabalho na íntegra já começou a mixar o próximo, que será o sexto de sua carreira e foi composto antes mesmo desse momento de flashback. Ou seja, eles sabem que o passado é especial, mas também não o veem como algo fundamental. É mais uma peça do quebra-cabeça que montaremos com tranquilidade quando ficarmos velhos e tivermos tempo para isso, enquanto realizamos outros sonhos que a juventude não permite. Shirley Manson pelo menos mal pode esperar por essa velhice, por exemplo. Mas isso não quer dizer que a banda esteja diminuindo o ritmo, muito pelo contrário. Eles inclusive querem voltar para o Brasil logo.

Esse estado de espírito maduro também não quer dizer que eles sejam sérios ou sombrios o tempo todo. Na verdade mostra que eles realmente estão em paz e podem se divertir muito mais por causa disso. Como você pode inclusive conferir nessa entrevista que fizemos por telefone com a vocalista, cujas risadas são altas, sinceras e frequentes:

 

Eu vi um vídeo dos Meet & Greet de vocês durante a turnê e como às vezes eles são emocionantes, e você diz que sentia isso com seus ídolos. Quem seriam alguns desses ídolos?

SM: Sim, quer dizer, eu tenho tantos. Minha mãe me fez gostar de Nina Simone e Billie Holiday e pessoas assim quando eu era bem nova, Peggy Lee... Todas elas eram grandes heroínas minhas. Mas conforme eu fui crescendo e virando um tipo de adolescente perturbada eu fiquei muito apaixonada por Siouxsie, do Siouxsie and The Banshees, Chrissie Hynde, Patti Smith. São provavelmente as três mulheres que me influenciaram mais do que qualquer outra pessoa no cenário musical.

 

E tem algum disco em especial que tenha mudado sua vida?

SM: Bom, “The Scream”, do Siouxsie and The Banshees, acho que mudou minha vida. Ver coisas que não estavam nem no meu vocabulário (ri), eu lembro que tive que procurar algumas das palavras no dicionário quando era adolescente. Sabe, Siouxsie representava tanto para mim sobre empoderamento feminino e quebrar regras estabelecidas que eu tinha visto as mulheres seguirem até aquele momento... Siouxsie representava uma alternativa para mim, uma alternativa com a qual eu me identificava enquanto mulher. Eu nunca senti que me identificava com muitos dos papeis mais submissos e tradicionais que eu tinha visto as mulheres incorporarem enquanto estava crescendo.

 

Eu li que “Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças” é um dos seus filmes favoritos, e você já falou diversas vezes durante essa comemoração que a banda não é muito nostálgica. Qual a sua relação pessoal com o passado?

SM: Bom, quando eu era nova eu abusei muito de ecstasy, e isso realmente bagunçou minhas memórias de curto e longo prazo (risos). Então eu entendo o quão preciosa sua relação com a sua vida é, através da sua memória. Sabe, é uma ideia poderosa. Mas eu sempre sinto que o presente é mais empolgante que o passado, e eu sou muito grata por ter esse impulso na minha vida porque acho que muita gente fica atolada em quem era e como a vida foi um dia. E eu sinto que, como ser humano, você pode fazer isso acontecer para si mesmo de novo, se você estiver disposto a correr riscos e quebrar convenções, e estiver disposto a bagunçar o coreto, sabe? E eu acho que gente demais deseja voltar para um tempo em que era mais nova ou mais inocente, ou antes de cometer erros, e por aí vai. Mas eu realmente acredito que você pode começar do zero a qualquer momento, em qualquer dia, se você simplesmente decidir que é isso que vai fazer. E eu acho que essa tem sido uma percepção poderosa para mim, na minha própria vida. Algo que eu nem sempre tive, mas sinto que tenho agora.

 

Por outro lado, eu vi uma entrevista em que você disse amar a ideia de ser velha. Como visualiza esse futuro?

SM: Sim, eu acho que tem muita necessidade [disso] na nossa cultura de quão terrível é envelhecer. Nesse momento em específico, por algum motivo, nós temos toda uma geração, ou gerações, que são completamente infantilizadas, e eles não querem as responsabilidades e o peso de ser um adulto. E eu gosto dessa sensação, enquanto adulta eu me sinto tão mais feliz com a minha vida, como alguém que teve experiência e não é mais jovem. Eu acho que isso é muito poderoso. E o meio pelo qual, na nossa cultura, nós não enfatizamos todos os benefícios que vêm com envelhecer, [é que] em vez disso estamos colocando o medo da morte em pessoas jovens associado a envelhecer, e envelhecer é um baita privilégio. Sabe, você chega a certo ponto na sua vida no qual você não está mais em caos o tempo todo, porque tem experiência o bastante para informar e internalizar sua realidade diária, e eu acho que isso é realmente precioso. E eu pelo menos me inspiro com pessoas mais velhas, com as jornadas que elas percorreram. Eu acho isso lindo, e fascinante. Eu não acho pessoas jovens tão fascinantes assim porque elas não têm histórias para contar (risos). Quer dizer, é bom olhar para elas, mas depois de um tempo, você só consegue olhar para a beleza por um tempo determinado sem precisar de algo mais na sua vida, e eu sinto que há tão pouca ênfase nisso agora, no mundo em que estamos vivendo, e eu acho que é uma tristeza terrível na verdade.

 

Eu me imagino uma velhinha de cabelo verde assistindo a vida passar sentada na calçada e mal posso esperar

SM: Fuck yeah! A ideia de não ter que trabalhar, sabe. Eu tenho visões de aprender a tocar piano com meu cabelo tingido de rosa, e eu tenho visões de ter tempo para jogar xadrez e ler livros. Eu estou ansiosa para isso, eu espero ter sorte o bastante para aproveitar esse privilégio. Quem sabe se eu vou chegar lá, mas eu também imagino... Eu na verdade às vezes rasgo fotos de revistas de mulheres mais velhas que me inspiram, simplesmente porque acho que é importante colocar energias positivas na sua mente sobre envelhecer, porque há tanta necessidade em nossa cultura agora de juventude terminal. E eu acho isso destrutivo para o meu bem-estar e para minha alma (risada). Sabe?

 

Você postou alguns dias atrás no Facebook que a banda tinha acabado de começar a mixar o disco novo. Existe algo que você possa nos contar a respeito desse trabalho?

SM: Bom, nós começamos a mixar na segunda-feira e já temos três músicas [a entrevista aconteceu na quarta-feira] meio que já demos um trato e nós as mandamos para o nosso empresário ontem, e recebemos esse glorioso e-mail em resposta - o que não é nada a cara dele, mas ele está empolgado por nós. Eu estou empolgada, acho que está soando realmente muito bem. E elas são diferentes na verdade, do que eu achei que elas terminariam sendo. É bem diferente. Eu tenho dito isso muito, para mim é como um livro de romance gótico (gargalhadas).

 

E eu li que foi só para fazer essa turnê que você ouviu o primeiro álbum na íntegra. Você acha que relembrar o passado influenciou a composição desse novo trabalho de alguma forma?

SM: Sabe, na verdade não. Quer dizer, acho que a composição do novo disco já estava finalizada antes de sairmos em turnê e antes de começarmos a ensaiar, então na verdade não. Mas eu acho que algo aconteceu dentro da banda que influenciou como esse novo disco soa e como ele sairá. Acho que na nossa última turnê, promovendo “Not Your Kind Of People” algo realmente mágico meio que aconteceu entre todos nós, dentro da banda, e nós definitivamente estamos funcionando com o máximo de eficiência que provavelmente jamais teremos. Tem algo acontecendo em meio a nós e eu na verdade não consigo articular isso muito bem, mas sinto que todo mundo na banda encontrou paz com a nossa jornada, tipo o que aconteceu com a gente enquanto banda, e agora todo mundo é destemido e esse para mim é um lugar muito empolgante para estar enquanto artista.

 

Não ter medo parece um tema importante para todos nós nesses tempos, uma forma de encarar a realidade mediante todas as coisas que têm acontecido.

SM: Eu acho que quando as coisas ficam realmente difíceis culturalmente - e definitivamente nós, enquanto mundo, entramos em uma fase muito difícil, que o mundo nunca viu antes -, acho que isso força as pessoas a fazerem uma escolha: “Vou ser destruído por um medo negativo e permitir que a minha vida encolha?” ou “ Vou mudar minha forma de pensar e me adaptar às circunstâncias nas quais me encontro. E eu acho que enquanto ser humano você tem essa escolha. E eu acho mesmo que é uma ótima receita seja você artista ou não, eu simplesmente acho que você tem que se adaptar ou sua vida é impactada por coisas negativas que não têm direito de serem assim.

 

Você também disse no post do Facebook que a banda tinha acabado de marcar o primeiro show de 2016. Existe alguma chance do Brasil entrar nessa rota?

SM: Sabe, nós fomos para a América Latina pela primeira vez na última turnê, e fez a gente pirar, e nós estamos determinados a voltar. Então eu vou me arriscar e dizer com certeza. E eu acho que é uma prioridade para nós ir [para o Brasil] com esse disco novo. Então foi um privilégio tocar em seu lindo País, e seria uma honra voltar.

 

TATE MONTENEGRO – TERRITÓRIO DA MÚSICA

Topo

 

Baixista do Barão Vermelho, Rodrigo Santos, ganha biografia

 

 

 

O baixista do Barão Vermelho, Rodrigo Santos, ganha neste mês uma biografia, intitulada "Cara a Cara", para contar sua história de músico, campeão de squash e surfista.

Escrito por Roberto Pugialli o livro fala do garoto que quase morreu por causa de grave doença na infância, que ganhou o primeiro violão aos 11 anos de idade, que sonhou ser desenhista e que acabou indo parar no Barão Vermelho. Há histórias de bastidores e drogas. A obra reúne mais de 400 fotos inéditas, além de depoimentos de dezenas de artistas.

"Cara a Cara" traz também um CD encartado, com cinco músicas de inéditas do artista, incluindo sua primeira composição, feita quando Rodrigo tinha apenas 12 anos. O músico estará na Argumento (na Rua Dias Ferreira, 417, Leblon) no próximo dia 17 de dezembro, para autografar o livro. A sessão acontece a partir das 17 horas.

 

LIZANDRA PRONIN – TERRITÓRIO DA MÚSICA

Topo

 

Jimmy Page sai em turnê om nova banda em 2016

 

 

O guitarrista Jimmy Page, ex-Led Zeppelin, volta para a estrada no próximo ano com uma nova banda. O músico anunciou a novidade numa entrevista à revista Guitar World revelando alguns detalhes sobre esse novo projeto.

Page já havia falado sobre a possibilidade dessa turnê anteriormente, mas nos últimos tempos o músico esteve envolvido com o relançamento dos discos do Led Zeppelin.

Segundo o artista, essa nova banda é "totalmente diferente do Led Zeppelin", mas a ideia é tocar um repertório cobrindo várias fases de sua carreira - sim, vai ter muito Led Zeppelin nos shows.

 

LIZANDRA PRONIN – TERRITÓRIO DA MÚSICA

 

Topo

 

David Bowie divulga prévia de “Lazarus”, segundo single de Black Star

A canção será lançada na íntegra no dia 18 de dezembro

 

 

David Bowie anunciou que no dia 18 de dezembro chegará aos ouvidos dos fãs a canção “Lazarus”, segundo single de Black Star, próximo álbum do músico. A faixa será reproduzida um dia antes, na quinta, 17, na rádio britânica BBC 6. Nesta segunda, 14, Bowie divulgou um trecho de 15 segundos da música.

 “Lazarus” faz parte da trilha sonora de uma peça homônima, escrita pelo músico e pelo o dramaturgo Enda Walsh, que está em cartaz em Nova York. Blackstar (nome substituído por uma simples estrela negra como símbolo na capa do álbum) foi gravado por um quarteto liderado pelo saxofonista Donny McCaslin, escolhido por Bowie após uma noitada em um despretensioso bar de Nova York, em 2014.

O rock eletrônico alemão do krautrock, hip-hop, pop e jazz se misturam no 25° registro da carreira do legendário músico. Com 42 minutos de música, a obra conta com a participação de James Murphy, do LCD Soundsystem, como percussionista em duas faixas. O disco será lançado em 8 de janeiro de 2016, data na qual o músico comemora 69 anos.

 

 

Em recente entrevista à Rolling Stone EUA, Tony Visconti, produtor do músico, afirmou que o rapper Kendrick Lamar foi uma grande inspiração para Blackstar.

“Estávamos ouvindo muito Kendrick Lamar. Amamos o fato de ele ter sido tão mente aberta e de não ter feito um disco quadrado de hip-hop”, disse Visconti, possivelmente, sobre o aclamado To Pimp A Butterfly, que chegou às lojas em 2015. “Ele jogou tudo ali e isso é exatamente o que nós queríamos fazer. O objetivo, de diferente maneiras, era evitar o rock and roll”, disse o produtor.

Segundo ele, Bowie está em “bom estado” e “fez um álbum bastante vigoroso”. Visconti não acredita, no entanto, que o artista saia em turnê para divulgar o 25° disco na carreira e o primeiro desde The Next Day, de 2013. “Se ele sair, será uma surpresa total.”

 

ROLLING STONE BRASIL

Topo

 

14/12/2015

Bruce Dickinson chega à Bósnia para filmar 'Scream for me Sarejo'

Vocalista do Iron Maiden participa das filmagens de documentário.

Banda fez apresentação histórica em 1994, durante a guerra no país.

 

Bruce Dickinson durante show nesta sexta (20) no Anhembi (Foto: Raul Zito/G1)

 

O vocalista do Iron Maiden, Bruce Dickinson, chegou neste domingo (13) a Sarajevo, capital da Bósina, para participar das filmagens de um documentário sobre os 20 anos de sua histórica apresentação na cidade, feita durante a guerra.

De acordo com a produtora encarregada do projeto, Prime Time, cantor e compositor ficará na capital do país até esta terça-feira (15) dedicado aos trabalhos de "Scream for me Sarajevo" (ainda sem título em português), que começou a ser rodado há um ano.

A ideia é contar a história do show de dezembro de 1994 na cidade, aonde o grupo chegou, apesar das advertências da Organização das Nações Unidas (ONU) de que a segurança não era garantida.

O conflito no país acabou um ano depois, com a assinatura dos Acordos de Dayton, em novembro de 1995. A guerra da Bósnia foi a mais longa e sangrenta da desintegração da antiga Iugoslávia socialista, com mais de 100 mil mortos e milhares de feridos e deslocados.

 

EFE

 

Topo

 

Badhoney- Ghost

 

 

Se você gosta de noventismos e grungismos pode abraçar essa causa aqui. A Badhoneys, que já passeou bastante por estas páginas, lança seu primeiro disco cheio, “Ghost”, nesse dia 11 de dezembro de 2015, via Transfusão Noise Records. O trabalho mais recente do trio gaúcho havia sido o EP “Harder (estou enganado?), mas era outra formação.

Agora, a banda é Gi Cognato (voz e guitarra), Rodrigo Souto (baixo) e Diego Maraschin (voz e bateria).

São dez músicas, todas gravadas no Estúdio LKR, em Porto Alegre. Uma delas, “Sheep Skinned Wolf”, ganhou um clipe bem bom, ó:

 

 

O trabalho começou a ser elaborado e gravado dois anos atrás, no meio de 2013. Apesar das dificuldades, “Ghost” chegou parrudo, como se pode ouvir abaixo. Um dos destaques é “Kill Me Now”, pesada, pra ouvir alto.

 

Ouça na íntegra:

 

 

01. Faraway Ghost

02. Kill Me Now

03. Sheep Skinned Wolf

04. Remember Why

05. Doesn’t Matter

06. Morning Comes

07. Media Said

08. Infection

09. Never Knew

10. You And I (Never Again)

 

FERNANDO AUGUSTO LOPES – FLOGA-SE

Topo

 

Prince divulga segunda parte do álbum HITNRUN no Tidal

 

 

Prince compartilhou a segunda parte do seu álbum HITNRUN no serviço de streaming Tidal. O cantor anunciou o lançamento por meio de suas redes sociais no último sábado (12/12).

“Por favor, todos comprem o produto depois de ouvir “, tuitou o lendário artista, junto com o link. As 23 músicas do disco estão sendo vendidas por US$ 14,99.

HITNRUN Phase Two inclui canções lançadas anteriormente como “Baltimore” e  ”Screwdriver”, que foram reformuladas para o lançamento de agora.

 

BILBOARD BRASIL

Topo

 

Novos singles de Figueroas, Selton, Peixefante, Supercombo + Far From Alaska e mais

 

 

 

O ano está acabando e, apesar da crise (contra tudo e contra todos), 2015 foi um dos mais interessantes para a novíssima música brasileira, como gostamos de chamar a produção autoral por aqui. Uma prova disso é que, mesmo em dezembro, muita coisa boa tem sido lançada pelas interwebs, o suficiente para fazermos uma breve compilação para embalar e inspirar seu fim de semana.

 

Para começar, a parceria de Supercombo (SP) e Far From Alaska (RN) no single "Surrendo", lançado nesta sexta-feira. Duas das bandas com público mais fiel nesta geração, eles vêm fazendo diversos shows juntos nos últimos meses. No próximo dia 20, por exemplo, se apresentam no Teatro Odisseia, no Rio de Janeiro — e é bom correr que os ingressos devem estar acabando.

 

 

Além do show no Rio, eles se apresentam no dia anterior, em Petrópolis, região serrana do estado. A festa contará ainda com a apresentação da local Hover, que também está com novidades. A nova música, curiosamente, se chama "My name is Alaska".

 

 

Deixando o frio do Alaska um pouco de lado (desculpem-me pela piada infame), no Brasil a coisa está quente. Tanto é que o Figueroas lançou "Bicho, que calor", sendo a voz (e, sua lambada quente, o ritmo) que a gente precisava para esse verão que vem por aí.

 

 

O novo single do fenômeno Figueroas, formado por Givly Simons e Dinho Zampier, foi composto por Fabio Mozine e Will Just. Os mais familiarizados devem saber que Just é o guitarrista dos Muddy Brothers, um dos melhores nomes do blues-rock nacional, lá do Espírito Santo. A parceria já tinha dado outro fruto nesse mês: Dinho Zampier colaborou com os Muddy Brothers na contemplativa "Facing the sky", o primeiro single do novo disco do trio, com lançamento previsto para outubro de 2016.

 

 

 

Por falar em música "contemplativa", a Peixefante, bela revelação de Goiânia, está numa vibe de lançar uns singles soltos após a divulgação do ótimo EP "Lorde Pacal". A brisa da vez é "Banzo", dois minutos e meio de uma viagem conduzida por ukulele e pontuado por synths, uma das assinaturas do grupo.

 

 

A Peixefante espera lançar seu primeiro álbum full em 2016. Enquanto isso, a ítalo-brasileira Selton já confirmou que apresentará "Loreto paradiso", seu quarto disco, no início do ano que vem. E lançou, nesta sexta-feira, o segundo single do novo trabalho, que ganhou ainda um clipe em plano-sequência, para lá de caprichado, assinado pelo diretor Francesco Imperato. Celebre (ou não) o "Feliz ano velho" com a Selton.

 

 

 

Por último, mas não menos importante (desculpem-me pelo encerramento clichê), quem também terá disco novo na praça logo, logo é o ótimo quarteto cearense Selvagens à Procura de Lei. No início da semana, eles divulgaram o primeiro single (com clipe) de "Praieiro", seu terceiro álbum de estúdio. Fique com a "Tarde livre":

 

 

LUCCAS OLIVEIRA – AMPLIFICADOR

Topo

 

“Feliz Ano Velho” pelo Selton em música e vídeo

Em 2016 a banda promete o disco Loreto Paradiso. em digital, cd e vinil.

 

 

Selton, aquela banda maneira feita por brasileiros que cantam em principalmente em português, mas formada em Milão, na Itália, tá com novidade na área. “Feliz Ano Velho” não anuncia só a virada no calendário mas dá uma amostra do que será o novo álbum da banda.

O lançamento da canção acontece junto a um clipe todo gravado em plano sequencia que frisa a repetição em alusão a virada de ano e suas semelhanças. O vídeo foi filmado em Milão, protagonizado pelo ator Rosario Altavill e dirigido por Francesco Imperato.

O disco será lançado em CD e vinil sob o nome de Loreto Paradiso, tendo produção de Tommaso Colliva (Franz Ferdinand, Phoenix e Muse). “Feliz Ano Velho”, ou “Buoni Propositi”, em italiano, pode ser baixada gratuitamente no site oficial da banda.

 

Selton – Feliz Ano Velho (Buoni Propositi)

 

 

MARCOS XI – ROCK IN PRESS

Topo

 

Metallica anuncia oficialmente livro sobre “Master Of Puppets”

 

 

Ano passado o Metallica pediu o auxílio dos fãs para juntar memorabilia relacionada ao álbum “Master Of The Puppets”, lançado em 1986, sobre o qual estavam preparando o “livro definitivo”.

E agora o grupo anunciou oficialmente revelando seu título e capa e publicando uma nota em seu site falando mais sobre o conteúdo, como ele foi criado e quem foram os participantes desse processo. “Metallica: Back to the Front”, feito em parceria com o autor Matt Taylor, tem previsão de lançamento para o outono (no hemisfério norte) de 2016, ou seja, entre setembro e dezembro do ano que vem. Pouco depois do aniversário de 30 anos do lançamento do álbum.

O livro contém entrevistas “exclusivas e intensivas” com todos os integrantes da banda, que declarou ter passado “incontáveis horas com Matt cavando fundo nos bancos de nossas memórias atrás de histórias, anedotas, curiosidades e histórias do estúdio, da estrada e além”, já que “Metallica: Back to the Front” cobre não só a gravação do álbum como a turnê que o promoveu.

Também foram entrevistados o produtor Flemming Rasmussen e o responsável pela mixagem, Michael Wagener, toda a equipe que trabalhou na turnê e os integrantes das bandas com as quais o Metallica a dividiu, Anthrax e Armored Saint, além dos empresários e promotores de turnê e dos músicos Jim Martin, Mike Bordin (ambos do Faith No More) e Brian Tatler (do Diamond Head), que falam sobre “suas memórias daquela época maluca”. Fora o material enviado pelos fãs, é claro.

O pai do baixista Cliff Burton, que faleceu em um acidente de ônibus entre a Suécia e a Dinamarca durante a turnê de “Master Of Puppets”, também concedeu a Matt Taylor uma entrevista extensiva. O grupo disse ter revirado todos os “depósitos, sótãos e porões para encher o livro com centenas de imagens nunca antes vistas” tiradas de seus arquivos pessoais. As novidades serão divulgadas aos poucos no site do Metallica, reformulado recentemente.

 

TATE MONTENEGRO – TERRITÓRIO DA MÚSICA

Topo

 

11/12/2015

Frida lança clipe do single De Olhos Fechados

 

 

O single "De Olhos Fechados” foi gravado em Boston (EUA) a convite da Converse pelo projeto Converse Rubber Tracks Worldwide. Já o clipe, dirigido por Edson Gandolfi, aborda a vida sob um olhar simples, desde o tédio do dia a dia até as escolhas que podem mudar tudo. Segundo Sandro Silveira, “queremos transmitir neste clipe a idéia de que não devemos esperar tudo da vida e deixar as coisas acontecerem no seu tempo".

Formada por Sandro Silveira (guitarra e voz), Andriel Cimino (guitarra), Vinicius Braga (baixo) e Luis Mausolff (bateria), desde 2009 o nome Frida vem chamando a atenção no cenário musical do Brasil e do exterior. O grupo venceu a etapa nacional do concurso ibero-americano Universia U-Rock, foi escolhida por voto popular como revelação da Região Sul pelo portal Oi Novo Som, se apresentando no teatro Oi Futuro (RJ), participou nos festivais El Mapa de Todos, Noite Senhor F e Morrostock e foi destaque no portal britânico Independent Music News em 2014 como uma das dez bandas brasileiras mais promissoras. Recentemente foi indicado na categoria Melhor Álbum Pop no Prêmio Açorianos de Música 2015.

 

Ficha técnica:

Musica - De olhos Fechados

Banda - Frida

Direção - Edson Gandolfi

Produção executiva - Rodrigo Gandolfi

Edição e finalização - Acauã Brondani

Realização - Gandolfi Filmes e Música

 

Confira o vídeo abaixo:

 

 

ROCK GAÚCHO

 

Topo

 

Cajat luta conta a “Noite Fria” em clipe

Primeiro vídeo retirado do álbum de mesmo nome lançado em 2014.

 

 

Baiano, mas com pouco sotaque. Roqueiro e com influencia clara e assumida no rock brasileiro oitentista, Cajat vem aos poucos colocando suas letras de vivencias pessoais na rua e criando seu público além de Salvador. O primeiro disco, Noite Fria, comemora o primeiro ano de lançamento com o primeiro clipe oficial.

A faixa escolhida é a que dá título ao álbum, e tem direção de Leo Monteiro. No vídeo, Cajat briga contra a solidão, a bebida e um fantasma de seus pensamentos. A bagunça se resolve com o encontro do músico com seus amigos da banda Sarina.

 

Baixe o disco do Cajat neste link.

 

Cajat – Noite Fria

 

 

MARCOS XI – ROCK IN PRESS

 

Topo

 

Bruce Springsteen: novo álbum em breve

 

 

 

O veterano Bruce Springsteen admitiu que está trabalhando em um novo disco solo. A revelação aconteceu durante um programa de rádio nos Estados Unidos. O guitarrista e vocalista lançou recentemente um box com extras do clássico álbum ‘The River’, de 1980. Ele também confirmou uma turnê com a E-Street Band, que começará em janeiro. O mais recente trabalho de estúdio de Springsteen é ‘High Hopes’, de 2014.

 

GUILHERME ZANINI – GUITAR PLAYER

Topo

 

Projeto "Legião Urbana XXX Anos" chega a Porto Alegre com promessa de catarse coletiva

Com Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá, show no Pepsi On Stage reunirá hits do grupo cantados por convidados

 

Projeto "Legião Urbana XXX Anos" chega a Porto Alegre com promessa de catarse coletiva Fernando Schlaepfer/Divulgação

 

Em maio de 1994, a Legião Urbana levava mais de 10 mil pessoas ao delírio no Gigantinho, em uma das últimas apresentações ao vivo de Renato Russo (1960 – 1996). Mais de 20 anos depois, a banda retorna a Porto Alegre – sem seu líder, mas com a mesma promessa de catarse coletiva, com show na noite desta sexta, no Pepsi On Stage.

Mas, primeiro, é preciso deixar uma coisa bem clara: não se trata de um show cover. Encabeçado pelos dois integrantes originais – o guitarrista Dado Villa-Lobos e o baterista Marcelo Bonfá –, o projeto Legião Urbana XXX Anos está mais para um tributo, com personalidade própria, ao grupo braziliense.

– Mantivemos os arranjos originais das canções, executando com o máximo de fidelidade, mas não tem ninguém imitando o Renato – garante Dado, em entrevista por telefone.

A duríssima missão de dar voz às composições que embalaram (e ainda embalam) gerações de jovens de coração partido ficou a cargo do ator e cantor André Frateschi, amigo de longa data da banda e que, ao longo da turnê, não tem se preocupado em emular os trejeitos do antigo frontman – uma das críticas feitas ao ator Wagner Moura, quando cantou em tributo semelhante em 2012.

– O André tem um trabalho longo cantando Beatles e David Bowie e conhece como poucos o nosso repertório – afirma Dado. – Ele tem a tarimba para estar ali no palco com a gente.

O espetáculo é divido em duas partes. Na primeira, Dado, Bonfá e André (mais o guitarrista Lucas Vasconcellos, o baixista Mauro Berman e o tecladista Roberto Pollo) executam na íntegra o disco de estreia, Legião Urbana (1985), que contém faixas emblemáticas, como Será, Geração Coca-Cola, Ainda é Cedo e Por Enquanto. Na sequência, uma seleta de canções que percorre toda a carreira do grupo brasiliense – entre hits instantâneos, como Tempo Perdido e Há Tempos, e faixas menos conhecidas, como Daniel na Cova dos Leões e Dezesseis – levada por cantores convidados.

 

A escolha dessas participações especiais (que mudam de acordo com a praça) ressalta o tom de revival ao mesmo tempo que afasta o saudosismo do projeto. Segundo Dado, a ideia é fazer um crossover de estilos à frente do microfone – daí a presença, em Porto Alegre, da roqueira glam Marina Franco, do performático Jonnata Doll e da veterana (e contemporânea da Legião) Paula Toller.

– O repertório muda em função dos convidados, e cada um acrescenta algo único aos shows – explica o guitarrista. – A Paula, por exemplo, pediu para cantar O Mundo Anda Tão Complicado (lado B do disco V) e Antes das Seis (do disco póstumo Uma Outra Estação), que a gente nunca tocou ao vivo.

O encerramento das apresentações tem sido com Que País é Este?, que Dado qualifica hoje como "um conto da carochinha".

– Quando o Renato era vivo, tocar que Que País é Este? nos deixava tristes, porque a música, mesmo muito tempo depois de ter sido composta, continuava atual – lembra. – Mas hoje ela perdeu o sentido, virou um conto da carochinha, porque a situação foi muito além do que está sendo cantado ali.

Mesmo assim, o guitarrista salienta que o clima do show é de festa. Primeiro, porque o projeto é uma vitória de Dado e Bonfá após anos lutando com o herdeiro de Renato Russo, Giuliano Manfredini, pelo uso do nome da banda – decisão que veio em outubro de 2014. Segundo, porque parte do público vai ter a chance de ver uma apresentação do grupo pela primeira vez.

– É muito bom ver jovens que nem eram nascidos quando a banda acabou se identificando com a nossa música, cantando e se emocionando do começo ao fim. É como o Renato dizia: a Legião Urbana é o nosso público.

 

SERVIÇO

Sexta, às 22h. Classificação: 16 anos.

Pepsi On Stage (Avenida Severo Dullius, 1.995).

Abertura da casa: 20h.

O show: a banda irá tocar o disco de estreia na íntegra e, na sequência, alguns de seus maiores sucessos com a presença de convidados, como Paula Toller.

Ingressos: pista a R$ 200 (inteira), R$ 100 (meia-entrada) e R$ 105 (promocional) e pista VIP a R$ 320 (inteira), R$ 160 (meia-entrada) e R$ 165 (promocional). Desconto de 50% para titular e acompanhante do Clube do Assinante. Ponto de venda sem taxa de conveniência: Youcom do Bourbon Wallig. Pontos de venda com taxa de conveniência: lojas Youcom dos shoppings Praia de Belas, Bourbon Ipiranga, BarraShoppingSul e Bourbon Novo Hamburgo e lojas Multisom do Centro de Porto Alegre (Andradas 1.001), Canoas Shopping e Bourbon São Leopoldo e pelo site minhaentrada.com.br/opinião .

 

GUSTAVO BRIGATTI – ZERO HORA

Topo

 

Desaparecidos divulga vídeo de “Golden Parachutes”

 

 

A reunião do Desaparecidos, um dos projetos de Conor Oberst (do Bright Eyes) - que foi formado em 2001 e encerrou as atividades no ano seguinte, logo depois de lançar seu álbum de estreia - começou com uma apresentação única em 2010 e foi oficializada em 2012 com uma turnê e o lançamento de singles.

 

O segundo álbum completo da banda só chegou esse ano, em junho. “Payola” foi co-produzido por Mike Mogis, companheiro de Oberst no Bright Eyes, e conta com participações de Laura Jane Grace, do Against Me!, da banda So So Glos e de Tim Kasher, do Cursive - que aparece na primeira amostra do trabalho, “City On The Hill”.

Em outubro o Desaparecidos foi forçado a cancelar o final de sua turnê pelos Estados Unidos quando Oberst foi hospitalizado devido à laringite, ansiedade e exaustão. E agora o grupo volta a promover o trabalho lançando um videoclipe para “Golden Parachutes”.

A produção animada foi dirigida por Luke e Joe McGarry e mostra o grupo atravessando marcos da história americana - dos julgamentos de Salem até o Occupy Wall Streeet. Confira:

 

 

TATE MONTENEGRO – TERRITÓRIO DA MÚSICA

Topo

 

By Paulão - (34) 9108-5957 paulao@confraria.net